Presidente da República apresentou livro de Valdemar Francisco

0

2

A Casa do Alentejo em Lisboa e a Biblioteca Municipal Afonso Lopes Vieira, em Leiria, foram os locais que acolheram as sessões de apresentação do livro bilingue “O Dever de Memória” de Valdemar Francisco, com a colaboração da editora Portugal Mag Edições. Em Lisboa, no Salão Nobre da Casa do Alentejo, perante mais de 200 pessoas, muitas delas residentes em França que naquele dia fizeram questão de homenagear o autor e a causa do livro, estiveram presentes altas individualidades com destaque para o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, autor do prefácio, que naquele dia apresentou o autor e a obra.

5

Na apresentação, coordenada pelo locutor da televisão SIC, José Figueiras, foi Valdemar Francisco o primeiro a usar da palavra onde explicou, entre muitas palavras de agradecimento, o fundamento da existência deste livro, estando nitidamente comovido e sensibilizado por ver uma salão tão nobre completamente cheio para aplaudir o trabalho da causa por qual luta e o levou a produzir o presente livro assim como o monumento em França com o mesmo nome: “O Dever de Memória”. Marcelo Rebelo de Sousa referiu que o livro “O Dever de Memória” pode ser interpelado com duas palavras quando o mesmo é folheado: “a gratidão e a esperança”. O Presidente da República explicou que “ao aceitar o convite para assinar o prefácio deste livro associo-me a uma merecida homenagem à grande aventura dos emigrantes portugueses em França e à história comum que construíram. «O Dever de Memória», e as imagens que guarda, obriga-nos a olhar para um passado recente feito de momentos difíceis. Momentos vividos pelo autor, Valdemar Francisco, momentos fixados pelo olhar de um extraordinário fotógrafo da diáspora portuguesa, momentos testemunhados pelo grande humanista Louis Talamoni, amigo e benfeitor da comunidade portuguesa de Champigny-sur-Marne. A história que este livro documenta é uma história que os une a todos, que nos une a todos e ajuda a construir futuro”.

6

Frankelim Amaral, um dos directores da editora Portugal Mag Edições, também usou da palavra e salientou a importância do livro “O Dever de Memória” para a comunidade portuguesa em França. Mostrou a sua satisfação por a Portugal Mag Edições ser parceiro na produção deste livro, visto que “é um testemunho muito importante sobre anos de grandes dificuldades para muitas famílias portuguesas que lutaram por vida melhor, procurando algo mais para dar a seus filhos. Foram mulheres e homens de grande valor que sempre lutaram e tiver a grande colaboração do humanista Louis Talamoni. Está, por isso e muito mais, de parabéns Valdemar Francisco por ter desenvolvido o livro e o monumento “O Dever de Memória” em homenagem a muitos portugueses que merecem o reconhecimento de todos nós”, sublinhou Frankelim Amaral. De salientar que na sessão em Lisboa marcaram presença as professoras que deram aulas aos portugueses do bairro de lata nos anos 60, acompanhadas com um grupo de 24 alunos. O autor levou-os, durante 8 dias a Portugal, e arranjou encontros com muitos alunos já retornados ao seus país.

3

Na apresentação em Leiria, na Biblioteca Municipal Afonso Lopes Vieira, a obra e o autor foram apresentados pelo escritor leiriense Adélio Amaro, em representação da Portugal Mag Edições. A sessão coordenada pelo ditrector da Biblioteca, Vítor Santos, contou com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Leiria, Raul Castro, que deus os parabéns ao autor e reconheceu o “trabalho de mérito que Valdemar Francisco está a desenvolver”. Entre os presentes estiveram a Vereadora da Educação da Câmara Municipal de Leiria, Anabela Graça, e o Presidente da União das Freguesias de Colmeias e Memória, Artur Santos, que afirmou não conhecer Valdemar Francisco, natural de Colmeias, concelho de Leiria, mas que era uma honra contar com uma figura tão ilustres na freguesia que preside, dando-lhe os parabéns por todo o trabalho que tem vindo a realizar. Adélio Amaro enalteceu o percurso de Valdemar Francisco, com todo o esforço com que alcançou o sucesso empresarial em França e destacou a nova fase da vida do autor em que vai promovendo causas sociais, visto que o total da venda dos livros em Leiria reverteu para a Academia do Bacalhau com o objectivo de ajudar os mais necessitados. O escritor leiriense salientou, também, o mérito que Valdemar Francisco tem ao não deixar esquecer “o esforço de muitos portugueses no referido bairro da lata, fazendo desta forma, Valdemar Francisco, com que a história não se apague e que muitos possam reconhecer que os benefícios que hoje usufruem que se devem a muitas mulheres e muitos homens que naquele bairro souberam sofrer com um sorriso nos lábios, lutando por melhores condições para seus filhos”. A sessão contou ainda com algumas perguntas dos presentes ao autor. Em ambas as sessões foi dado a conhecer um projecto de filmagem e documentário sobre os Portugueses dos anos 60/80. Este documentário já conta com mais de 70 horas de depoimentos resumidos em histórias de vida fantásticas. Na apresentação em Lisboa o projecto foi apresentado pelo realizador luso-francês e autor das filmagens, Christophe Fonseca, e em Leiria foi Valdemar Francisco que salientou essa iniciativa que tem o intuito de preservar e guardar para o futuro as memórias de um passado desses portugueses.Christophe Fonseca, em Lisboa, mostrou a sua satisfação por estar a desenvolver este projecto a convite de Valdemar Francisco, a quem agradeceu e mostrou o seu reconhecimento, visto “ser uma recolha de depoimentos que vão servir de testemunho para o futuro, evitando que a história se apague”. “O Dever de Memória” ilustra a construção de um monumento em homenagem e agradecimento ao Presidente de Champigny-Sur-Marne – Louis Talamoni (de 1950 a 1975) que acabou com o maior bairro de lata em França habitado por portugueses. Este livro, além do prefácio do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, atrás referido, conta com declarações de José Filipe Moraes Cabral (Embaixador de Portugal em França), de Dominique Adenot (actual Presidente da Câmara de Champigny-sur-Marne), de Valdemar Francisco e de Louis Molinari, escultor convidado para fazer o monumento. O livro está produzido como álbum fotográfico onde descreve a história de milhares de portugueses que emigraram para França e viveram em condições desumanas. Começa com a apresentação de Champigny-sur-Marne nos anos 60, passando pelas condições miseráveis do Bidonville com que os portugueses passaram. Uma colecção de 140 fotografias do fotógrafo Jean-Claude Broustail que as cedeu para este livro. “O Dever de Memória” demonstra, ainda, toda a actividade feita desde a apresentação da ideia à construção do monumento no local onde era o Bidonville, assim como imagens dos encontros com as individualidades locais, aos estudos de maquetas do monumento, festas e galas para angariação de fundos, assinatura de tijolos com os nomes das pessoas que quiseram perpetuar a sua passagem pelo Bidonville ou de pessoas e empresas que se quiseram associar à homenagem ficando estes mesmos parte integrante na construção do monumento. Em resumo, o livro é a história ilustrada das grandes dificuldades passadas pelos portugueses em França e de um grande homem que contra tudo e contra todos conseguiu dar condições de vida a muitos milhares de portugueses. Valdemar Francisco salienta isso mesmo no preâmbulo do livro: “…este livro não é um livro de história. É, simplesmente, um resumo sucinto para que se possa compreender esta grande aventura que foi a realização deste monumento que está implantado em Champigny-sur-Marne (94) no “Parc Départemental” do Planalto. Até hoje é o único monumento erigido por emigrantes portugueses em homenagem ao país que os acolheu: a França”. Relembramos que a inauguração do referido monumento, a 11 de Junho de 2016, contou com a presença do Presidente da República Portuguesa e do Primeiro Ministro de Portugal, assim como milhares de pessoas, sendo de salientar que Valdemar Francisco é o fundador da Associação “Les Amis du Plateau de Champigny” que conta já com cerca de 200 aderentes.

_________________ PUB ________________

13

Partilhar.

Comments are closed.