Grande retrospetiva da artista Lourdes Castro em França

0

A artista portuguesa Lourdes Castro esta com uma grande retrospetiva em França, com a exposição “Sombras e Companhia”, que reúne obras fundamentais do seu percurso, como “Sombras projetadas”, livros de artista e “Caixas de Madeira”.

A exposição está patente no Musée Régional d’Art Contemporain Occitanie/Pyrénées-Méditerranée, em Serignan, no Sul de França, até 02 de junho, mostrando os principais períodos artísticos de Lourdes Castro, que viveu em Paris cerca de 25 anos, tendo voltado em 1983 para a Madeira, onde se mantém.

“Adoro que seja um trabalho por vezes profundo e preciso, que conheceu várias estéticas diferentes”, disse a comissária da exposição, Anne Bonnin.

É um trabalho “entre as sombras e a luz, que é algo muito filosófico, mas que tem perspectiva leve”, prosseguiu a curadora. Lourdes Castro “vai sempre para a solução mais simples nas suas obras e faz a síntese entre o modernismo da pintura ou da colagem, com o movimento pop nos anos 60”.

Bonnin descobriu o trabalho de Lourdes Castro através do artista Francisco Tropa, e ficou “com muita vontade” de fazer uma exposição de fundo sobre o seu trabalho. Após algum tempo de pesquisa, a comissária de “Sombras e Companhia” visitou a artista na sua casa na Madeira, para conversar sobre a iniciativa.

“Não fui muito calorosa quando ela me falou da exposição”, disse Lourdes Castro, referindo-se a esse primeiro contacto. “Estou aqui [na Madeira], já fiz tantas coisas e agora estou longe. Não queria saber muito mais das artes, mas ela insistiu e mostrou que conhecia bem o trabalho. Perturba sempre um bocadinho quando se quer estar fora dessas coisas”.

Lourdes Castro nasceu no Funchal, em 1930, e foi viver para Paris com o marido, o artista René Bertholo, em 1958. Ambos fundaram, nesse mesmo ano, com os artistas António Costa Pinheiro, Gonçalo Duarte, José Escada e João Vieira, a revista KWY, letras escolhidas por serem as que o alfabeto português então não incluía. A este núcleo juntar-se-iam também os artistas alemão Jon Voss e o búlgaro Christo, residentes em Paris.

De peças inspiradas no surrealismo, Lourdes Castro começou a sua série de sombras em plexiglas, em 1964. Na década de 1970, Castro aliou-se a Manuel Zimbro para compor a sua projeção em filme “Teatro de Sombras”.

Segundo Anne Bonnin, Lourdes Castro “nunca quis ser uma figura artística daquela época” e a sua arte “nunca foi pretensiosa”, não sendo largamente conhecida em França.

A artista confirma isto. “[Ser conhecida ou não em França] Não é importante nem deixa de ser, é natural. E eu nunca fiz muita coisa por isso, tudo foi acontecendo. Fiz exposições em boas galerias, mas nunca levei o cartão debaixo do braço para falar do meu trabalho”, disse Lourdes Castro.

A comissária da exposição “Sombras e Companhia” quer mudar esta realidade. “É um projeto que eu quero continuar a trabalhar e o seu trabalho [de Lourdes Castro]tem de ser descoberto. Não há muitos artistas como ela que falem a toda a gente”, concluiu Anne Bonnin, em declarações à Lusa.

As peças para a exposição no Sul de França foram cedidas, maioritariamente, pela Fundação Calouste Gulbenkian, o Museu Coleção Berardo e o Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado, em Lisboa, e por colecionadores privados.

A exposição conta ainda com o apoio da delegação da Fundação Calouste Gulbenkian em Paris.

Partilhar.

Comments are closed.